Movimentos artísticos: a técnica impressionista

Por Charles Laveso 3 de julho de 2019

COMPARTILHE:
Avalie este Post

A técnica impressionista foi criada durante o momento artístico, que aconteceu no século XX, e recebeu o nome de Impressionismo. A primeira vez que a nova técnica chegou até o público na história foi em uma exposição em Paris, no ano de 1874.

Embora o evento tenha sido grandioso, na época, a novidade não foi aceita pelos que visitaram a exposição, nem pelos críticos de arte. Mesmo assim, os traços da técnica impressionista se expandiram e acabaram sendo consideradas revolucionárias. 

Conheça um pouco mais sobre as características e sobre os artistas que participaram do movimento artístico. 

Características da pintura feita com a técnica impressionista

Monet foi um dos grandes nomes da época e o termo impressionismo veio de um dos seus quadros. A obra, que usava a técnica impressionista, chamava-se “Impressão, nascer do sol”. No início, o termo foi usado com tom de deboche pelos críticos da época, mas pelos defensores da técnica impressionista ele foi adotado, por entenderem que ele simbolizava corretamente a nova forma de fazer arte. 

A maneira de ver o que ia ser retratado era diferenciada. O artista precisava se preocupar em enxergar o objeto ou a paisagem de acordo com a tonalidade obtida pela incidência da luz no momento. Para eles, as cores da natureza eram modificadas de acordo com a iluminação e isso deveria ser retratado na obra de arte. 

Os contornos também perderam espaço e na técnica impressionista não podem ser nítidos e fortes. O movimento entendia que a linha é uma abstração para representar as figuras e deve ficar ausente.

Do outro lado, a luminosidade deve estar obrigatoriamente presente nas sombras, que também ganham um colorido especial. Se antes eram escuras ou pretas, na técnica impressionista são coloridas e cheias de luz. 

Por isso, para obter o contraste entre sombra e luz os artistas devem usar a lei das cores complementares e não o famoso claro e escuro, muito comum no período Barroco. 

Mistura de tintas também não deve ser feita ante de chegar à tela. O artista deve pincelar cores puras, umas próximas às outras, para que elas só se misturem aos olhos do observador. 

Assim, pode-se dizer que como características gerais das obras da época observava-se:

  • O artista pintava apenas o que enxergava com os olhos, sem tentar imaginar e transmitir valores subjetivos;
  • Questões psicológicas ou intelectuais também não eram vistas na técnica impressionista;
  • Os impressionistas eram vistos como alienados aos problemas sociais.

Principais artistas que usaram a técnica impressionista:

Na pintura brasileira, Eliseu Visconti foi considerado o maior representante da técnica impressionista. Na época, ele ganhou uma viagem para a Europa e teve contato com grandes nomes do movimento artístico do século XX. 

Autorretrato – Eliseu Visconti (1902)

Esculturas do impressionismo

As esculturas também sofreram as mudanças da técnica impressionista. O tema principal era o cotidiano, assim como aconteceu na pintura. 

Nas obras, eram vistas a fusão da luz e da sombra, a tentativa de criar estátuas que pudessem ser visualizadas de qualquer ângulo e a presença de obras inacabadas como parte do processo criativo usando a técnica impressionista.

La Nuit – Aristide Maillol (1909)

Dicas para fazer desenhos impressionistas

Gostou do estilo de pintura e ficou com vontade de começar a aprender a desenhar com essa técnica? Então veja algumas dicas para dar os primeiros passos: 

  1. Escolha um local ao ar livre. É na natureza que você encontrará a paisagem perfeita; 
  2. Opte por algo do cotidiano e não pela cena perfeita; 
  3. Luz natural, formatos diferentes no meio ambiente, tudo isso deve ser levado em conta na hora de desenhar. Observe o meio;
  4. Atente-se à luz natural e à forma como ela incide sobre o local a ser desenhado. Isso deve ser refletido em sua obra; 
  5. Pense na possibilidade de dar a sensação de movimento, quando for o caso da paisagem escolhida; 
  6. Desenhe rapidamente, para que você possa registrar a luminosidade e o ambiente da forma como encontrou;
  7. Não misture cores. Traços próximos, um ao lado do outro, vão ajudá-lo a transmitir ao observador a criação da mistura; 
  8. Não faça contornos e evite a cor preta, que era pouco usada na época. 

Ainda no meio de toda essa mudança, nasceu também a técnica do pontilhismo. Saiba mais sobre ela.

COMPARTILHE:
Entre para a nossa lista VIP.