Você se cobra demais ou de menos?

Por Samuel Torres 29 de maio de 2017

COMPARTILHE:
Você se cobra demais ou de menos?
Avalie este Post

O desenho realista, como muitos sabem, é baseado em uma fotografia de referência, sendo assim, quanto mais próximo à referência o desenho estiver, em questão de tons, formas e detalhes, melhor ele será.

Sendo assim, no final o que conta para um bom resultado, mais do que a técnica, é a percepção, é saber ver e comparar, pois só se copia o que se percebe.

É nesse ponto que entra a autocrítica, ou seja, não se acomodar com o nível de seu trabalho atual e sempre procurar melhorar, tendo a foto de referência como parâmetro.

É comum de se ver desenhistas que se encantam com seus próprios trabalhos, aos quais muitos lhes disseram que são muito bons e desenham muito bem, e acreditam, ficando com o ego exaltado.

Até certo ponto isso é benéfico, pois a auto estima e a satisfação com seu próprio trabalho é importante, mas, em excesso, atrapalha a visão e a auto crítica.

E a ausência da autocrítica faz o trabalho estagnar por não se ter mais parâmetros a se comparar ao achar que já se alcançou o topo. E assim a visão e a percepção são freadas, o que é um problema no desenho realista, onde a percepção é o atributo mais essencial.

Nesse caso o bom senso e uma atitude realista e humilde são fundamentais para que a autocrítica entre em vigor, e assim, essa trabalha para a evolução da técnica e da percepção.

Porém, em se tratar de autocrítica, a mesma deve ser dosada, pois é necessária para a evolução, mas em excesso faz mal.

É o caso de artistas iniciantes no desenho realista que mesmo tendo alcançado bons resultados, sempre se cobram mais, nunca satisfeitos com seus próprios trabalhos, comparando-se sempre à grandes desenhistas e achando seus desenhos horríveis.

A esses a autocrítica em excesso atrapalha, pois não conseguem ter prazer em seus próprios trabalhos, e é essencial que haja prazer e satisfação no que faz, caso contrário o treino ou o simples ato de desenhar se torna tarefa exaustiva e desmotivante. Isso se aplica não só ao desenho, mas a qualquer atividade que se proponha a fazer.

Se cobre sim, mas, ao mesmo tempo aprecie seu próprio trabalho e o que já alcançou, tanto no desenho quanto em qualquer outra coisa na vida,  pois uma caminhada se faz caminhando e não se começa pelo fim.

E apreciar cada passo, cada momento, cada fase do aprendizado é o que traz sentido à jornada, caso contrário, será apenas busca incessante e labor, onde a paz a alegria e a satisfação não habitam.

COMPARTILHE:
Entre para a nossa lista VIP.